quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Hemonorte realiza campanha para doação de sangue no carnaval

Comemore o carnaval com o Hemonorte e faça parte do bloco da solidariedade. Com a proximidade do período carnavalesco, o Hemocentro do RN lança no próximo dia 21 (terça-feira), às 10h, a campanha do carnaval, “Hemofolia 2017- No batuque do coração faça sua doação”.

A iniciativa visa conscientizar as pessoas a doarem sangue antes do carnaval e reforçar o estoque para os dias de folia. A meta é manter um estoque de 1.000 bolsas de sangue/dia, para atender a qualquer eventualidade durante o período de folia.

Podem doar as pessoas que tem entre 16 e 69 anos (menores de 18 anos de idade precisam de consentimento do responsável legal); ser saudável; pesar acima de 50 kg; ter dormido 6 horas na noite anterior; evitar alimentos gordurosos antes da doação; não ter ingerido bebidas alcoólicas nas 12 horas anteriores e apresentar um documento oficial com foto.

O Hemonorte funciona na Av. Alexandrino de Alencar, 1800, Tirol, Natal, (próximo ao Parque das Dunas/Bosque dos Namorados) – de segunda a sábado, das 7h às 18h e conta com uma unidade fixa de coleta de sangue na Zona Norte, localizada na Biblioteca Américo de Oliveira (Av. Itapetinga,1430, Conjunto Santarém), que funciona de segunda a sexta-feira das 7h30 às 17h.


Quem estiver no interior do Estado pode procurar a unidade de coleta mais próxima. O Hemocentro tem unidades em: Mossoró (R. Projetada, s/n. Bairro Aeroporto – Ao lado do Hospital Tarcísio Maia) que atende de segunda a sábado, das 7h às 18h Caicó (R. Renato Dantas, 455. Centro), de segunda a sábado, das 7h às 18h Currais Novos (R. Carnaúbas dos Dantas, 150. Bairro JK), de segunda a sábado, das 7h às 18h Pau dos Ferros (BR 405 - km 03, nº. 19 – Bairro Arizona – ao lado do Hospital regional), de segunda a sábado, das 7h às 18h .

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Protocolo de diagnóstico precoce de câncer pediátrico deve auxiliar profissionais da saúde

Na última sexta, 10 de fevereiro, em comemoração ao Dia Mundial do Câncer foi lançado o primeiro Protocolo de Diagnóstico Precoce do Câncer Pediátrico. O estudo é uma parceria do Instituto Nacional de Câncer José de Alencar Gomes da Silva (Inca) e o Ministério da Saúde.

O estudo pretende auxiliar profissionais da saúde a conduzir casos suspeitos e confirmados dentro de uma linha de cuidado, com definição de fluxos e ações desde a atenção básica até a assistência de alta complexidade. Profissionais de todos os serviços de saúde terão mais segurança para considerar os achados clínicos com a idade, sexo, associação de sintomas, tempo de evolução e outros dados.
Os cânceres em crianças apresentam crescimento rápido, por isso, é muito importante que, para a obtenção de melhores resultados, ocorra o diagnóstico precoce e o ágil encaminhamento para início de tratamento.

Dados do Inca, mostram que a mortalidade por câncer entre crianças e adolescentes no Brasil está estável, sendo, atualmente, a primeira causa de morte por doença na faixa etária de 1 a 19 anos.

Estimativas indicam que, em 2016, ocorreram cerca de 12.600 casos novos de câncer em crianças e adolescentes até os 19 anos. As regiões Sudeste e Nordeste teriam apresentado os maiores números de casos novos, 6.050 e 2.750, respectivamente, seguidas pelas Regiões Sul (1.320 casos novos), Centro-Oeste (1.270 casos novos) e Norte (1.210 casos novos).

Sintomas

Entre os sintomas de câncer em crianças estão: palidez, hematomas, sangramento, dor óssea, perda de peso inexplicada, caroços ou inchaços, alterações oculares, inchaço abdominal, dores de cabeça persistente, vômitos e dor em membro, inchaço sem trauma.

Os tipos de cânceres infanto-juvenis mais comuns são as leucemias, seguidos dos linfomas (gânglios linfáticos) e dos tumores do sistema nervoso central (conhecidos como cerebrais). O número de óbitos por câncer nesta faixa etária é menor apenas do que o de causas externas, como os acidentes e violência. No Brasil, o câncer infanto juvenil responde por 3% de todos os tipos de câncer.

A publicação está disponível para acesso no site do Ministério da Saúde.

Municípios vão receber recursos financeiros para a área da Saúde

O Diário Oficial da União (DOU) desta segunda-feira, 13 de fevereiro, trouxe a publicação da Portaria 409/2017, que autoriza o repasse de recursos financeiros para 596 Municípios do País. A verba é referente ao Piso Fixo de Vigilância em Saúde; a Assistência Financeira Complementar da União para cumprimento do piso salarial profissional nacional dos Agentes de Combate às Endemias e ao Incentivo Financeiro para fortalecimento de políticas afetas à atuação dos ACE.

O crédito será repassado pelo Ministério da Saúde (MS). Os entes federativos que têm direito a receber o auxílio devem se atentar quanto à utilização do dinheiro. Isso ocorre porque nos casos em que for verificada a não execução integral do objeto originalmente pactuado e a existência de recursos financeiros repassados pelo Fundo Nacional de Saúde para os Fundos de Saúde Estaduais, Distrital e Municipais não executados, seja parcial ou totalmente, estes estarão sujeitos à devolução do dinheiro, acrescido de correção monetária.

A Confederação Nacional de Municípios explica que o bloco financeiro da Vigilância em Saúde dos Municípios, do Distrito Federal e dos Estados é constituído pelos recursos que representam o conjunto das ações de vigilância, promoção, prevenção e controle de doenças e de vigilância sanitária. Este departamento é formado pelos componentes da Vigilância e Promoção da Saúde e da Vigilância Sanitária.

A Portaria entra em vigor hoje, com efeitos financeiros a partir de 1.º de janeiro de 2017.

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

Sesap investiga caso suspeito de febre amarela no município de Venha-Ver

Diante da situação epidemiológica do Brasil em relação à Febre Amarela, os profissionais de saúde do estado do Rio Grande do Norte são orientados a notificar os casos suspeitos da doença de forma imediata, conforme determinação do Ministério da Saúde.

Nos últimos dias, a Sesap foi notificada sobre um caso suspeito de paciente residente no município de Venha- Ver, localizado na região do Alto Oeste potiguar. Diante da notificação, a investigação está sendo conduzida junto à VI Regional de Saúde Pública (VI Ursap) e o município. Considerando que a febre amarela tem sintomatologia semelhante com outras síndromes febris, o caso também está sendo investigado para outras doenças, tais como: hepatites virais, dengue, leptospirose e chikungunya. O material coletado foi enviado ao laboratório de referência nacional e aguardam-se os resultados para os próximos dias.

Na região, até o momento, não há notificação de morte ou adoecimento de primatas, sendo importante estar atento a este evento para adoção de medidas de vigilância.


A Sesap informa que o Rio Grande do Norte continua sendo área sem recomendação de vacina, por isso não se faz necessária a vacinação dos residentes no estado, com exceção dos viajantes para as áreas de risco.  

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

RN tem 142 casos confirmados de microcefalia; Natal lidera o ranking com 40


A Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap), através do Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (CIEVS), divulgou nesta quinta-feira (9) o boletim com a atualização da situação epidemiológica da microcefalia, com dados coletados até 05 de fevereiro.

Os casos notificados estão distribuídos em 91 municípios do Rio Grande do Norte. Do total de 486 casos suspeitos, 108 estão sob investigação, 142 foram confirmados e 236 foram descartados. Os casos confirmados estão distribuídos em 47 municípios do Estado. Os municípios com maior número de casos confirmados são: Natal (40), Mossoró (14) e Parnamirim (9).

Dos 486 casos suspeitos de microcefalia e/ou outras malformações relacionadas às infecções congênitas, 335 são de nascimentos ocorridos em 2015, 140 são de nascimentos ocorridos em 2016 e quatro foram de nascimentos ocorridos em 2014 e os demais estão entre os abortos e pré-natal.

Do total de casos notificados, 8,3% (38/485) evoluíram para óbito após o parto ou durante a gestação (abortamento espontâneo ou natimorto). Segundo a classificação, 29% (11/38) permanecem em investigação e 60% (23/38) foram confirmados e 11% (4/38) foram descartados.


quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Mona Lisa Torquato é a nova gerente da VI Ursap



A edição do Diário Oficial do Estado do RN desta quarta-feira, 08, trouxe a nomeação de Mona Lisa do Rêgo Torquato para exercer o cargo de provimento, em comissão, de Gerente da VI Ursap, sediada em Pau dos Ferros, na região do Alto Oeste potiguar.

Monalisa é graduada em Pedagogia e Serviço Social e foi Secretária de Saúde deste município por quase dois anos, além de ter atuado como administradora – por vários anos – na iniciativa privada.

Por onde passou, Monalisa conseguiu deixar sua marca de excelente gestora – fato reconhecido por suas equipes de trabalho e a população – o que lhe credencia a também realizar uma gestão exitosa no comando da VI Unidade Regional de Saúde Pública.


segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Sesap alerta sobre o repasse de boatos da febre amarela no RN



A Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) esclarece que o Rio Grande do Norte não é considerado pelo Ministério da Saúde área de transmissão da febre amarela. A Sesap informa que são boatos as informações que estão circulando nas redes sociais sobre morte de macacos em Natal e região metropolitana, relacionando os casos com a febre amarela e pedindo que a população procure a vacina. Desde 1942 que não são registrados no Brasil casos desta doença no meio urbano.

“Saúde pública não é brincadeira. Quando você dissemina boatos ou informações falsas contribui para que a população entre em pânico e atrapalha os profissionais de saúde, que deixam de fazer o seu trabalho para esclarecer boatos, deixando de dar atenção ao que realmente é verdade”, explicou Cintia Higashi, subcoordenadora de Vigilância Ambiental (SUVAM) da Sesap. 

Na secretaria, dentro da Subcoordenadoria de Vigilância Ambiental, a Vigilância de Epizootias investiga a morte ou adoecimento de primatas em parceria com as secretarias municipais de saúde e os órgãos de vigilância ambiental como IBAMA e Polícia Ambiental. 

Em 2016, no Rio Grande do Norte, foram registradas 23 ocorrências envolvendo primatas, e até o momento nenhuma delas está relacionada com registro positivo de febre amarela. “Os primatas atuam como animais sentinelas para a febre amarela e não são os responsáveis pela transmissão da doença. Eles são tão vítimas quanto o homem e nos ajudam a identificar antecipadamente a circulação viral” esclarece Cintia Higashi.

A Sesap orienta para que caso a população encontre algum primata (macaco) doente ou morto, entre em contato com o Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (CIEVS) pelos telefones: 0800 281 2801 ou 3232-2801.

A febre amarela possui dois ciclos de transmissão, o urbano e o silvestre. Os recentes casos de febre amarela nos estados de Minas Gerais e Espírito Santo estão relacionados com o ciclo da doença no meio silvestre, quando as pessoas não imunizadas adentram as matas ou residem em áreas próximas.

A vacinação contra a febre amarela é recomendada às pessoas que residem ou viajam para regiões silvestres, rurais ou de mata, para as quais há recomendação desta vacina. Todos os municípios estão abastecidos com a vacina e o RN tem estoque suficiente para atender a população nas situações recomendadas. A Sesap alerta para a necessidade dos municípios em informar e vacinar viajantes que se dirigem para áreas onde é obrigatória a certificação da vacina contra a febre amarela e ainda, que não há critérios epidemiológicos para recomendação de vacina para a população que permanece no RN.


Os estados do Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe, Espírito Santo e Rio de Janeiro estão fora da área de recomendação para a vacina.